crescercomcristo

Just another WordPress.com site

A Polêmica da Cereja

cereja

 

No final de um culto, o pastor anunciou: “Irmãos, vamos participar de uma festa numa cidade do interior, quem quiser ir é só dar o nome para o obreiro e vamos todos à festa da cereja.”

Como a igreja não estava muito cheia, os que ali estavam ficaram encarregados de transmitir a notícia aos outros. O irmão Zezinho saiu de lá cheio de raiva, resmungando e falando mal do pastor à todos que encontrava pelo caminho.

A notícia que ele transmitia era a seguinte: “Onde já se viu, o pastor quer levar a igreja pra festa da cerveja?! Que absurdo, ele está em pecado, não é mais o mesmo, vai acabar com a igreja.”

E com isso, irmão Zezinho destilava e difundia seu ódio entre os irmãos.

Até se explicar que CEREJA não era CERVEJA, a confusão já havia se espalhado e alguns já cogitavam deixar a igreja. Outros se alegraram e achavam bom o fato do pastor estar mais liberal.

 Na verdade, irmão Zezinho é quem já não era mais o mesmo. Todo culto, lá estava ele, entre os primeiros, sempre presente. Quando o culto acabava só se ouvia reclamações por parte do irmão Zezinho. Era o pastor dizer: “É preciso se arrepender dos pecados”. E ele já vinha com um: “Eu não sou pecador, que se arrependa ele que está de carro novo, certamente por causa do dinheiro da igreja”.  Na verdade o pastor trabalhava fora da igreja (ali não era o seu ganha pão), tinha uma empresa e ia muito bem, sempre prosperando e sendo citada entre as melhores do ramo. Todos sabiam disso, incluindo irmão Zezinho. Mas sabe aquela inveja, aquela vontade de criticar, de se colocar num altar e patamar elevado de santidade? Pois bem, era assim que ele se encontrava. Depois de anos e anos de convertido (ou não), ele estava numa fase (esperemos que seja realmente uma fase e que passe rápido) de só ver defeitos. Nada estava bom, era um tal de colocar as pregações do pastor fora de contexto, distorcer versículos, má interpretação de tudo.

Aliás, um problema já comprovado aqui no Brasil, é não saber interpretar textos. Lê mas não interpreta. Nem tudo é literal, há textos e expressões que a interpretação não é aquilo que está escrito, mas é preciso ter um pouco de atenção pra entender o que se quer dizer.

Vou dar um exemplo bem claro, leia o texto abaixo:

Aprendendo com os erros

                O mestre conduz seu aprendiz pela floresta. Embora mais velho caminhasse com igualdade, enquanto seu aprendiz escorrega e cai a todo instante.
                O aprendiz blasfema, levanta-se e cospe no chão traiçoeiro e continua a acompanhar seu mestre.

                Depois de longa caminhada, chegaram a um lugar sagrado. Sem parar, o mestre dá meia volta e começa a viagem de volta.

                – Você não me ensinou nada hoje – diz o aprendiz, levando mais um tombo.
                – Ensinei sim, mas você parece que não aprende – respondeu o mestre – estou tentando te ensinar como se lida com os erros da vida.

                – E como lidar com eles?

                – Como deveria lidar com seus tombos – respondeu o mestre – Em vez de ficar amaldiçoando o lugar onde caiu, devia procurar aquilo que o fez escorregar!”.

Quem lê esse texto e não sabe como interpretar não percebe o objetivo do mestre e nem o erro do aprendiz. O mestre decidiu levar o aprendiz pela floresta para que ele aprendesse a lidar com os problemas, mas o aprendiz não se dava conta disso e apenas reclamava das quedas, ele não estava prestando atenção no que o fazia cair. O texto ainda diz que mal chegaram ao destino e o mestre nem parou, já deu meia volta e começou o caminho de volta. Por que isso? Porque o objetivo do mestre não era o que eles iam encontrar no destino final e sim no caminho. Era ali que o aprendiz teria as lições. Talvez você pense que o autor poderia ter sido mais claro, mas a intenção era essa, de que o leitor chegasse a conclusão sem ser dito tudo muito escancarado. Não é pra criticar o autor (não fui quem escreveu esse texto do exemplo, retirei do site Acessaber) é pra interpretar o texto. Há ainda outras conclusões pessoais sobre esse texto, que não estão erradas também, são apenas outras forma de interpretar.

A má interpretação de texto acontece também com a fala, com pregações. Exemplo: Cantares de Salomão, alguns entendem que ali há comparações do amor de Cristo pela igreja, outros já entendem que se trata somente de amor conjugal.  Irmão Zezinho era do time dos que defendiam que Cantares é do amor de Cristo pela igreja e ai de quem dissesse o contrário perto dele. Ele já ficava com aquele olhar de ódio e levantava a voz pra defender sua opinião. Não acho que ele está errado nessa questão de Cantares, mas também acho muito correto quem interpreta como amor conjugal.

Vamos deixar claro, se você discorda, se não gosta, se acha que está errado, faça o seguinte: GUARDE PRA VOCÊ e simplesmente não leia mais, não vá mais, não ouça mais aquilo ou quem você discorda. Não se dê ao trabalho de responder ou argumentar com raiva porque outra pessoa pensa diferente da sua verdade que é única, absoluta e inquestionável e que Deus está de acordo com você e despreza totalmente a opinião do outro. Essa mania de querer ter razão e parecer santo a todo custo, me parece que tem algo errado com quem faz isso e que na verdade a pessoa tenta esconder toda a podridão que tem dentro de si a condenando nos outros. O pecado pelo qual ela quer apedrejar o outro, na verdade, se encontra nela mesma. A intolerância EXAGERADA ao pecado alheio pode, algumas vezes, esconder o pecado alheio dentro de si. Deu pra entender?

Penso que é preciso praticar o amor. Sabe aquele amor que se ouve nas pregações, aquele que a bíblia tanto fala? Esse mesmo. Amor ao próximo, respeito. Irmão Zezinho passou anos dentro da igreja, ouviu muitas pregações, leu a bíblia inteira mais 5 vezes e? E de nada adiantou, porque ele ouviu mas não entendeu, leu mas desprezou e chegou ao ponto de se achar tão melhor e mais sábio do que todos e achar que poderia corrigir coisas que Deus talvez não estivesse vendo e querendo resolver. Ele pensou que poderia fazer melhor do que Deus, talvez criar um “deus” novo que se importasse e visse o que ele via e acreditava. Que impusesse a “verdade” dele não importa a que custo. Irmão Zezinho achava que estava muito certo e super santo, aí é que mora o perigo.

Quando escrevo um artigo, todo tipo de pessoa lê. Convertidos, não convertidos, simpatizantes, antipatizantes; gente de igreja tradicional, pentecostal, os retetés. Desde  igrejas que pregam costume até igrejas mais liberais. Todo tipo, e cada um vai entender de um jeito. Os que aderiram ao costume, vão me odiar porque corto o cabelo, uso maquiagem, minhas unhas são cumpridas e as pinto da cor que eu quiser. Já os mais liberais vão achar normal porque em suas igrejas isso é normal. Gente, não vou sair por aí atirando pedras em quem é diferente de mim ou pensa diferente, entendam isso. Se discordo, não sigo. Simples assim. Você não vai convencer a outra pessoa e a outra pessoa não vai convencer você. Nós não precisamos concordar com tudo, mas precisamos SIM NOS RESPEITAR. Menos pré-conceito e mais respeito.

A vida passa rápido demais, e não se pode perder tempo criticando o outro porque o outro gosta de verde e eu de azul. Pelo amor! Há pouco tempo surgiu uma polêmica por causa de uma música cantada numa determinada igreja em um congresso de mulheres. Diziam que a música era a pior do mundo, que era ridícula. A música não era do meu gosto, realmente, tinha uma pegada meio infantil até, mas enfim…Se alguém gostou, se foi útil pra alguém, se ajudou alguém, que bom! O problema é que tiraram a música do contexto em que foi cantada, para criticá-la mais. Não era uma música do tipo de ser a mais pedida das rádios, mas com certeza alguém gostou, agora eu vou lá fazer um vídeo ou artigo detonando a música porque eu não gostei? Óbvio que não, não faz parte do meu gosto musical mas faz parte do de alguém.

Se o irmão Zezinho fosse levar a fundo criticar todas as músicas de que não gosta…ninguém o suportaria mais. Basta ter um trechinho de que ele discorde e pronto, aí já começa: “Não tem base bíblica. Não é de Deus” “É o fim do mundo mesmo!”.  Nem adianta falar pra ele que o irmão João foi curado durante o culto enquanto o grupo louvava com aquela música. Ele vai dizer que quem curou o irmão João foi o diabo, porque a música tocada não era de Deus.

Irmão Zezinho já não era o mesmo e nem percebia. De repente todos estavam errados e ele certo. Tanto que em certa ocasião, discutindo (pra variar) com outro irmão, ele apontou o dedo na cara do irmão e disse: “você não é salvo, mas eu sou!”. Ele odiava esse irmão porque irmão Zezinho era muito sério, usava roupas sóbrias e esse irmão era todo colorido. Era calça verde com camisa roxa e gravata amarela e sapato bicolor.

Veja a que ponto ele chegou, a intolerância, a raiva, o fato de se achar super santo o levou a dizer que o outro irmão nem era salvo. Taí uma coisa que ele não poderia julgar, a salvação de alguém. Se até na cruz Jesus disse àquele ladrão (que se arrependeu) que ele estaria com Ele no paraíso, como o irmão Zezinho pode afirmar que fulano ou beltrano não é salvo?

Se você não gosta de alguém, o fato de você não gostar não impede a salvação dessa pessoa. Deus não faz isso: “Ah filhinho querido, você gosta da Maria? Ah então ela será salva! Você não gosta do Marcelo? então ele eu não salvo, fique tranquilo.”

Se dependesse do irmão Zezinho só ele mesmo e mais algumas peças raras (não tão raras, infelizmente) iguais a ele seriam salvos.

Certa vez o pastor deu uma oportunidade para o irmão Zezinho falar, ele queria ser pastor, mas sem muito esforço. Ele falou sobre adultério (não foi à toa, ele ouviu comentários de que um dos irmãos tinha uma amante), e falou bonito, citou a bíblia, bem enfático e espiritual. Espero que a pregação dele tenha alcançado o irmão que estava no erro ( e por que não poderia? Deus usa quem Ele quer. Mas isso não quer dizer que a pessoa já está com um pé no céu porque Deus a usou, às vezes era só o que tinha pro momento mesmo e tinha que ser tal pessoa e assim foi).

Muito tempo se passou, irmão Zezinho, cada vez mais “santo” e “certo”, saiu da igreja…de todas elas (porque é claro, nenhuma havia alcançado esse nível assim tão…enfim) e ainda se diz nos caminhos do Senhor e segue criticando duramente a todos os que discordam dele (o pior é que o que ele diz é certo, o problema é o que ele faz com o certo, o torna errado).

Hoje, irmão Zezinho mora em outra cidade, talvez pra tentar abafar o escândalo da gravidez de sua amante ou quem sabe pra fugir dos donos de bar a quem ficou devendo. Pois é, tudo aquilo que ele criticava nos outros, ele fazia igual ou pior. Vamos detoná-lo? Não, apenas oremos por ele. Deus há de fazer a obra completa.

*******

Pessoal, irmão Zezinho é um personagem fictício (apesar de existirem muitos irmãos Zezinhos na vida real) mas a história da cereja é bem verdade, aconteceu mesmo.  

Eu quero que você perceba que é uma grande perda de tempo ficar odiando os outros, principalmente destilando e disseminando esse ódio até entre os irmãos. Pra que isso? Ah sim, essa postura de “eu sempre tenho razão”, acaba inclusive com muitos casamentos, pense nisso.

Se você entende algo diferente de outra pessoa, não discuta por isso. Alguns versículos servem pra ilustrar diversas situações, se você entende de um modo, outra pessoa vai entender de outro e por aí vai. Já ouvi pregações completamente diferentes baseadas no mesmo versículo. Da primeira vez que isso aconteceu pensei “já sei o que ele vai falar”, mas não! O pregador disse coisas completamente novas e depois disso outro dia em outra pregação com outra pessoa mas sobre o mesmo versículo, era outra interpretação. E em todas tinha sentido. Se concordei com tudo ou não, isso não importa, algo sempre se aproveita e a gente retém aquilo que é bom.

No caso da cereja, alguns pareciam já estar condicionados a ouvir o que queriam e até por sempre esperarem um motivo pra falar mal mesmo, pior que quando não tem motivo a pessoa inventa.

Mais amor e respeito, por favor. É impossível se dizer de Deus sem isso.

No Amor de Cristo

Ana Lucia Salles

Anúncios

Navegação de Post Único

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: